Publicado em Deixe um comentário

Polineuropatia e Neuropatia – Caso real

Polineuropatia ou neuropatia diabética - Caso real

O que é a polineuropatia e neuropatia diabética?

A polineuropatia sensitivo motora é uma patologia extremamente dolorosa. Ataca primeiramente os pés podendo chegar até às mãos.

Como são os sintomas?

1 – A pessoa que sofre de Polineuropatia diabética, tem problemas acentuados nos pés, podendo sofrer ao mesmo tempo de problemas de sensibilidade exagerada e de insensibilidade.

2 – Dor acentuada na sola dos pés e nos dedos

3 – Dor na pele do peito do pé que se estendem à perna.

4 – Frio intenso nos pés, como se estivessem congelados, obrigando a pessoa a usar meias até de lã, em pleno verão.

5 – Crises de dor e frio após o primeiro sono que se repetem pela madrugada, gerando problema derivados de sono insuficiente incluindo nervosismo.

6 – Aparecimento de nódulos nas partes menos dura dos pés e calo nas partes mais duras ou que ficam em maior contato com o chão.

7 – Problemas com calçados ocasionando a formação de uma coleção de sapatos e sandálias que logo são relegados por ineficientes que são. A pessoa acaba preferindo usar uns pares de meias em numeração bem maior à sua do que um chinelo ou sapato.

8 – Mas os problemas físicos não acabam aí, há doentes que se queixam de dores que se confundem com dores no nervo ciático, na batata da perna, nas mãos, na palma da mão e nas pontas dos dedos.

9 – Tem também os de ordem mental que vão desde apatia até o descontrole emocional por qualquer insignificância.

10 – Problemas auditivos, qualquer barulho é suficiente para um descontrole emocional: latidos (principalmente os esganiçados e estridentes), sons de buzinas, vozes estridentes ou muito alta, sons de aparelhos sonoros da casa ou de vizinhos etc.

11 – Filmes onde se vê agressividade, ferimentos etc.

12 – As alterações podem ser subjetivas: sensações anormais não dolorosas, como formigamento, ferroada, sensação de eletricidade, umidade ou calor, encontradas nas polineuropatias periféricas e alterações da sensibilidade visceral — crises gastrointestinais nas tabes e paramiloidose.

13 – As alterações podem ser objetivas também: anestesia, hipoestesia e hiperestesia.

  1. Anestesia: perda de uma ou mais modalidade da sensibilidade. O termo anestesia é mais usado para a sensibilidade tátil, sendo o termo analgesia usado para a sensibilidade dolorosa.
  1. Hipoestesia: diminuição da sensibilidade.
  2. Hiperestesia: aumento da sensibilidade, encontrado em neuropatias e afecções radiculares.

Obs.: as alterações da sensibilidade devem ser estudadas quanto à extensão, distribuição anatômica e forma de sensibilidade comprometida.

Lembrar algumas síndromes importantes em relação à sensibilidade:

  1. Síndrome tábida: perda da sensibilidade profunda — sensibilidade vibratória e estereognosia;
  2. Siringomielia: Perda da sensibilidade térmica e dolorosa de ambos os lados na área correspondente aos dermatomos da lesão, com preservação da sensibilidade profunda e, principalmente, da sensibilidade tátil (“dissociação”);
  3. Síndrome talâmica: crises de dor espontânea e, geralmente, pouco localizada, podendo se irradiar por toda a metade do corpo. Este tipo de dor — hiperpatia — ocorre devido ao aumento do limiar da excitabilidade aos estímulos táteis e térmicos, levando o paciente a “proteger” o membro com as roupas ou panos. Há casos em que até estímulos auditivos se tornam desagradáveis.O achado de 25,7% de pacientes com polineuropatia sensitivo-motora distal é, na verdade, um número muito preocupante, pois é encontrada em 8% dos pacientes no momento do diagnóstico, 16,7% após 5 anos e 41,9% após 10 anos do descobrimento do DM, sabemos que este percentual corresponde aos achados entre os portadores de DM há mais de 5 anos. Este fato nos leva à conclusão de que esta população fica exposta aos efeitos deletérios da hiperglicemia por um lapso de tempo muito longo até que se faça o diagnóstico ou mesmo já tendo o diagnóstico, a pessoa peca pela teimosia em manter uma alimentação que não mantenha os níveis glicêmicos dentro da normalidade.

Como deve ser a alimentação da pessoa diabética?

Mais informações sobre o controle da diabetes: http://diabetescontrolada.com.br/diabetes-controlada-openfun/

Outro problema é que mesmo tendo sido diagnosticada como diabética, a pessoa não se conscientiza de que deve riscar de sua alimentação o açúcar e todos os alimentos que se transformem nele, tais como: batata inglesa (batatinha), cuscuz, macaxeira (aipim) e todos os alimentos feitos com farinha de trigo, não importando se foram feitos com farinha integral ou não, pois de qualquer forma, é trigo de qualquer jeito. O álcool é outro inimigo que deve ser evitado a qualquer custo. Fujam doa alimentos diet.

Frutas não devem ser mais de 3 unidade ao dia, sendo o ideal uma banana pela manhã, uma laranja às 14 horas e uma maçã antes de deitar. Lembrando que para o diabético, a quantidade de qualquer alimento é apenas uma (1). Lembrando que uma atenção especial deve ser dada à quantidade de frutose da fruta. Quanto menos doce melhor.

O nível alto de glicemia tem importância fundamental, devido ao fato de que a sua cronicidade e progressão levarão inexoravelmente o paciente com DM a ser portador do temido pé diabético, aumentando em muito o risco de amputação.

O diagnóstico precoce e o controle rigoroso do DM levarão a um retardo no surgimento da polineuropatia diabética, que é a complicação mais prevalente desta doença, correspondendo a mais de 50% de todas as suas complicações.

A polineuropatia provoca alterações sensitivas e motoras que induzem à formação de ulcerações que facilmente se infectam, necessitando quase sempre de tratamentos radicais. O conhecimento desse fato pode reduzir de maneira significativa a incidência de amputações em diabéticos.

Sugestão de tratamento Natural da Polineuropatia Diabética:

Ele serve de apoio ao tratamento clínico e ameniza as crises:

Floral Polineurin: 30 gotas em 200 ml de água natural 03 X dia.

Floral Dijapadie: 30 gotas em 200 ml de água natural 03 X dia. Diminui o nível da glicemia.

Relato de tratamento Clínico da Polineuropatia Diabética:

Tenho utilizado sob prescrição médica:

Diamicron 60/60 pela manhã, horário em que faço a principal refeição do dia. E tomo 01 comprimido de  Mionevriz 250 mg.

No almoço, como apenas carne (peixe, frango ou ovos cozidos) e saladas cruas, que não alteram a glicemia.

Noite repito o almoço. E tomo 01 comprimido de Tegretol CR 400 mg.

Anteriormente tomava o Tegretol CR de 200 mg, mas ele era insuficiente para impedir todos os problemas em meus pés. Meu neurologista achou que o melhor era aumentar para 400 mg.

Converse com seu neurologista para que ele possa avaliar e recomendar ou não o Tegretol. Eu não tive nenhum dos efeitos colaterais do Tegretol, graças a Deus, pois além de Tegretol, os medicamentos existentes são muito perigosos. Lendo a bula dele, a gente fica com medo de tomar, mas as dores serão fortes e firmes em meus pés se eu não tomar.

Como desintoxicar seu organismo após o uso de tantas drogas alopáticas?

Nossa sugestão é que use entre 50 e 100 ml de suco de Aloe Vera por dia, irá limpar seu intestino, fazer uma renovação celular, nutrir seu organismo e muitas outras vantagens.

Para informações completas sobre a aloe vera, ouça o áudio com narração da Dra. Gisele:

Clique aqui para comprar o suco Aloe Vera Gel.

Malva Gomes dos Santos

Obs.: Caso você tenha outros sintomas da Polineuropatia diabética ou uma medicação que tenha surtido efeito benéfico em você, mande um e-mail para [email protected], para que possamos ajudar mais e mais um número considerável de pessoas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *