Publicado em

Nosódios, um caminho para a cura!

Nosódios do homeopata Roberto Costa entram na terceira geração.

Criados no início do século passado por Eduard Bach, que mais tarde desenvolveu os florais que ganharam seu nome, os nosódios são um medicamento homeopático produzido a partir de materiais biológicos. Nos quase 100 anos de existência do método, grandes nomes da medicina, como o médico Roberto Costa, contribuíram para o aperfeiçoamento dos nosódios, que acabam de entrar na terceira geração.

Embora a importância dos nosódios ainda seja discutida pela medicina tradicional, ambas têm caminhado cada vez mais próximas para o desenvolvimento de possíveis curas para doenças que têm afligido o planeta, como o câncer.

Duas descobertas da homeopatia encontraram apoio na alopatia. A primeira delas diz respeito à própria essência dos nosódios, que utiliza materiais como sangue, tecidos, microorganismos, órgãos, bactérias, vírus e fungos para o seu desenvolvimento.

“A medicina tradicional está caminhando para buscar terapias no próprio corpo, mas é um princípio que já existe, não é novidade. A diferença é que a homeopatia é pautada pela simplicidade e, por este motivo, faz a mesma coisa, mas com acesso grande para a comunidade. Por outro lado, a medicina tradicional é um grande negócio, que provavelmente terá medicamentos genéticos caríssimos. Na verdade, o produto final é igual. A vacina, por exemplo, nada mais é do que um nosódio, só que com efeito colateral”, explica o médico Carlos Lyrio, presidente do Instituto Roberto Costa, citando o desenvolvimento de terapias pela alopatia, baseadas nas células tronco.

Uma descoberta publicada recentemente na revista britânica Nature pelo bioquímico alemão Peer Bok, e divulgada pela revista Época, aproximou mais uma vez as duas medicinas. O estudo mostra que os seres humanos se dividem em três tipos, de acordo com as bactérias existentes no intestino (provoletta, bacteróides e ruminococcus). Essas bactérias seriam fundamentais tanto na digestão como na defesa do organismo contra infecções.

Descoberta parecida já tinha sido feita por Eduard Bach em 1920, quando criou os nosódios a partir das bactérias do intestino. “Bach viu que todas as doenças do corpo estavam envolvidas com o desequilíbrio da flora intestinal. A colônia de bactérias seria a porta de entrada de doenças. Estamos caminhando agora para identificar as pessoas de acordo com as bactérias da flora intestinal. O intestino é o grande órgão imunológico. Somos o que comemos e é o intestino que faz o processamento do que é saúde e do que é doença”, disse Lyrio, explicando que a doença nada mais é do que um tecido biológico, oriundo dos alimentos, que se aloja em qualquer parte do corpo.

Para Carlos Lyrio, todas as doenças começam na mente: “É a mente que proporciona o desequilíbrio da flora intestinal. As doenças começam no intestino e depois se manifestam em outras partes do corpo, tudo sob o comando da mente”.

O problema encontrado por Bach, na época, foi conseguir utilizar os vírus nos nosódios, uma vez que existia o risco de contaminação. “Por mais que os micro-organismos fossem diluídos, não era possível dizer que não existia vírus. Por este motivo, Bach se dedicou às bactérias e alcançou resultados muito positivos. Ele criava a colônia, matava as bactérias com o calor e assim não corria o risco de contaminar as pessoas”, esclarece o médico. Com as bactérias mortas, Bach foi capaz de cuidar não só as doenças do intestino como as demais doenças como as emocionais, respiratórias, reumáticas, entre outras.

Se os estudos de Bach permitiam apenas a utilização das bactérias mortas, a grande descoberta do médico Roberto Costa foi a utilização dos micro-organismos vivos, que deram origem aos nosódios vivos.

“Ele entendia que os remédios feitos com órgãos e micro-organismos seriam mais eficazes se as bactérias estivessem vivas. Neste momento, passou a usar todas as partes vivas do corpo para criar os nosódios, por meio da lei da analogia. Se uma pessoa possuía um pulmão doente, ela tomava os nosódios feitos com o pulmão sadio e assim por diante”, lembra Lyrio.

Para garantir a inexistência de bactérias que pudessem contaminar as pessoas, Roberto Costa desenvolveu uma técnica de contagem de bactérias que permitia 12 diluições em 100 ml de água. No entanto, a contagem valia para bactérias, mas não se adequava aos vírus.

“Cada vírus se comporta de uma maneira diferente, o que dificulta o método de quantificação”, afirma o médico, citando a pesquisa realizada, entre os anos de 2005 e 2010, com crianças atendidas pelo Programa de Saúde da Família que constatou que aquelas que tomavam o nosódio influenza ficavam quatro vezes menos doentes do que as que tomavam placebo.

O aparecimento de doenças como a AIDS, gripe aviária e a gripe suína continuou a estimular novas pesquisas sobre os nosódios. Em 2002, o pesquisador russo Jacques Benveniste apresentou um estudo intitulado “A memória da água”, onde comprova que a água muda de forma. O teste foi realizado com o nosódio histamina (mediador químico da alergia) e verificou que a água reage quando entra em contato com a histamina, assumindo sua forma. Ação suficiente para agir no organismo.

Mais tarde, o médico Massaro Emoto descobriu que para a água mudar de forma não é preciso provocar o contato molecular entre a água e outra substância. Segundo o médico, é possível transferir a frequência vibratória dos elementos vivos para a água.

“Se eu conheço a vibração, eu sou capaz de impregnar uma solução de água pura com esta vibração. Trata-se de uma transferência eletromagnética”, explica Lyrio, contando que a nova técnica deu origem à terceira geração dos nosódios, que já estão sendo produzidos há um ano e meio.

“O que os nosódios fazem é despertar a cura interior através da vibração. Diferente da homeopatia, que acredita que a cura está fora (geralmente nas plantas), os nosódios acreditam que a cura está dentro. Não existe doença que não tenha cura. A cura está dentro da própria pessoa, só que geralmente não acreditamos nisso”, comentou Carlos Lyrio, acrescentando que a nova geração dos nosódios é um avanço nos remédios naturais.

A ação dos nosódios passou a ter três bases fundamentais: sob as colônias do intestino (teria uma ação preventiva), sob partes do corpo comprometidas por doenças e a eliminação dos resíduos eletromagnéticos que restaram da doença.

Veja a definição de Nosodioterapia:

Tratamento que se utiliza dos Nosódios Vivos para cuidar todas as sensações de doenças, buscando o equilíbrio e o restabelecimento do bem estar. Sendo o principal objetivo buscar a capacidade de cura interna do ser, com a utilização das terapias alternativas.

Saiba mais sobre os Nosódios Vibracionais:

Os Nosódios Vibracionais não oferecem riscos de danos ao organismo ou de efeitos indesejáveis. Sua ação não é química, mas física trabalhando com transferência de frequência. Os Nosódios Vibracionais obedecem aos princípios da Bioressonância usando a água como veículo terapêutico.

A terapia com Nosódios Vibracionais é um auxílio complementar, não devendo estar associada a ela a conotação de “curas milagrosas” e idéias afins. Nosódio Vibracional é um Produto Natural, de fonte orgânica, biológica, litoterápica, que trata das sensações de estar doente. É uma frequência ondulatória da saúde. O que torna tudo isso possível é a água capaz de carregar em si a assinatura da saúde.

A primeira geração de Nosódios é a dos Nosódios Intestinais de Bach, a segunda é dos Nosódios Vivos de Roberto Costa e a terceira é a dos Nosódios Vibracionais d’água.

Como usar os nosódios:

Cada nosódio contém em suas moléculas a informação saudável da parte a ser tratada, esta informação é gravada nas moléculas de forma vibracional. O organismo preparado com o constitucional recebe a informação trazida pelo nosódio e inicia o processo de recuperação.

Quanto à cura? posso dizer que há uma boa chance de se livrar do problema, faça o tratamento com seriedade que os resultados virão.

São necessários 05 unidades de cada nosódio para 01 ano de tratamento, este é o prazo mínimo sugerido pelo fabricante.

Modo de usar os nosódios: Diluir 5 gotas em um pouco de água e beber pela manhã, repetir ao final da tarde (caso esteja tomando mais de um, mantenha um intervalo de pelo menos 20 minutos entre um e outro).

Além dos nosódios, é preciso preparar o organismo para recebê-los, para isso usamos o Constitucional de Bach. São necessárias 4 unidades para o tratamento.

Modo de usar o constitucional: Diluir todo o conteúdo em um pouco de água e ingerir em jejum, iniciar os nosódios 24 horas após o seu uso.

Observações sobre o constitucional:

– Existem 10 tipos de constitucionais, para saber qual o correto para seu corpo, preciso que informe seu peso, altura e idade.

– Como a validade do constitucional é curta, não há a possibilidade de comprar todas as 4 unidades de uma só vez. Neste caso, a cada 60 dias após a chegada da encomenda anterior, faça um novo pedido deste produto, assim a unidade chegará a tempo de usá-la a cada 90 dias (o prazo de entrega de nosodios/constitucionais é de 30 dias em média).

Sugestão de pedido:

1º pedido – 01 unidade do constitucional + 2 unidades de cada nosódio.

2º, 3º e 4º pedido – 01 unidade do constitucional + 1 unidade de cada nosódio.

A pessoa poderá tratar até 3 patologias em paralelo, para tanto, basta iniciar com o constitucional.

Aonde encontro nosódios para compra e/ou um nosodioterapeuta para conseguir orientação?

Você encontra em nosso site “A Loja do Chá de Aracaju” o terapeuta Erick Gomes, capacitado em Nosodioterapia pelo instituto Roberto Costa, bem como os nosódios disponíveis à venda.

Se você não sabe qual nosódio usar, clique aqui e informe qual doença deseja tratar.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...