Publicado em

Mulher feliz

Encontrei uma conhecida que não via há anos. Era uma mulher envelhecida, sofrida e descrente. Casada há mais de 10 anos, sofria nas mãos do marido, farrista, beberrão e mulherengo. Mas como ela sempre dizia, o amava e por conta deste sentimento deixava as coisas seguirem o rumo que a doideira dele determinava.
Não havia salário que desse para melhorar a vida deles, pois assim que recebia o merecido, o infeliz seguia alegremente para a zona de meretrício e lá deixava grande parte do que ganhava e recebia mais alguns probleminhas de saúde para levar de brinde para a esposa querida.
E assim o tempo passava e minha conhecida “enfeiava”, se desmazelava e entristecia. E eu sumi. Mudei de endereço e nunca mais a vi.
Quando fui comprar o ovo de páscoa para meu neto, vi uma senhora bem vestida, maquiada com esmero, que sorria para mim como se fôssemos amigas de infância. Por mais que buscasse na memória, não havia jeito de me lembrar dela.
Sorri timidamente em retribuição e ela chegou me abraçando:
– Malvinha, Malvinha minha querida, há quanto tempo!!!
E lá estava eu com cara de pastel, sem saber o que fazer. Até que resolvi dizer o óbvio:
– Como você está bonita, bem vestida, bem maquiada. Está explodindo de vida, de vitalidade de alegria… O que foi que fez? Perguntei, mas ainda não tinha a menor idéia de quem era a feliz criatura. Foi quando ela respondeu alegremente:
– Eu simplesmente me divorciei de Artur e da vida miserável que ele me dava…
Ri alegre, pois à menção do nome do ex, lembrei-me de que eu o chamava de Rei Artur sem távola e que ele ria muito do apelido.
Apois… Ali estava Eliete, sem a tristeza, sem a feiúra, sem a depressão e sem o marido. Quanta diferença a ausência de alguém pode promover.
Ela sorrindo me disse:
– Mulher casada é muito infeliz…
Não concordo que toda mulher casada seja infeliz, como também acho que nem toda mulher solteira é feliz. Felicidade é uma coisa complicada… Mas facilmente notada no belo rosto de Eliete divorciada, que o casamento escondia.
Ela simplesmente não precisa mais tomar Depressin .
Malva Gomes dos Santos

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...