Publicado em

Menopausa… nervosimo, calor, ai que horror!

A menopausa é a fase em que se encerra a capacidade reprodutiva da mulher, consequência da queda da produção dos hormônios estrógeno e progesterona e o fim da ovulação. No entanto, esses hormônios sexuais desempenham, também, papéis importantes no controle de outras funções do organismo.

É por isso que muitas mulheres sofrem com sintomas desconfortáveis, como suor noturno, irritabilidade, ansiedade, insônia, cansaço e diminuição de atenção e memória. A redução dos hormônios provoca, ainda, perda da elasticidade da pele e diminuição da massa muscular, além de inibição da reabsorção óssea, aumentando o risco de osteoporose. Mas é possível reduzir os efeitos das mudanças hormonais com uma alimentação saudável, aliada a uma rotina de exercícios regulares.

De olho na alimentação

– Consuma alimentos ricos em fitoestrógenos (substâncias usadas como repositores hormonais naturais), como soja e seus derivados – leite de soja, tofu -, e linhaça, que ajudam a reduzir os sintomas da menopausa.
– Inclua mais cálcio no seu cardápio, uma excelente opção é o Calcium da Forever, por fornecer cálcio ao organismo em forma de citrato de cálcio que é facilmente absorvido pelo organismo, coisa que não acontede se o formato for carbonato de cálcio, que dificilmente será absorvido. O leite desoja e seus derivados, têm elevada cocentração do mineral. Vegetais verde-escuros, como espinafre, couve, folhas de mostarda, quiabo, agrião, brócolis, rúcula, assim como o tofu e a sardinha, também contêm altas doses de cálcio.
– Reduza o consumo de alimentos ricos em gorduras, açúcares e refinados, como farinha branca e de trigo.

Evite

– O excesso de álcool. Ele compromete as células ósseas.
– Sal em exagero. Entre outros prejuízos à saúde, o sódio, quando consumido em excesso, facilita a eliminação do cálcio pelo organismo. Para reduzir o consumo do sal e preparar refeições saborosas, use mais ervas frescas em suas receitas.
Invista em hábitos saudáveis
– Tome sol. Este hábito estimula a produção de vitamina D, fundamental para a absorção do cálcio pelo intestino e para sua incorporação pelos ossos. O ideal é expor-se por pelo menos 15 minutos ao dia: até as 9h da manhã ou após as 15h. Mas evite a exposição em excesso e lembre-se sempre de usar o protetor solar!
– Realize atividades físicas regularmente, para ajudar a manter o peso ideal e a pressão arterial sob controle e prevenir a osteoporose e o surgimento de doenças cardiovasculares.

– Pratique técnicas de relaxamento, como ioga e meditação, que ajudam a enfrentar melhor os sintomas característicos da menopausa.

Algumas ervas e produtos naturais também podem auxiliar nesse processo, minimizando os efeitos da menopausa. O chá que ensinamos a seguir é indicado como tratamento alternativo para reduzir os sintomas desagradáveis da menopausa.

Ingredientes:

  • 50 g de alquemila
  • 50 g de mil folhas
  • 50 g de amora
  • 50 g de sálvia

Preparo:

Misture todas as ervas que deverão estar secas e trituradas, guarde em um recipiente com tampa. Para preparar uma xícara do chá, acrescente 1 colher chá (rasa) da mistura em 250 ml de água fervente. Deixe em infusão por 10 minutos, coe e tome ainda morno.

Posologia

Tomar de 2 a 3 xícaras do chá durante o dia preferencialmente após as refeições, pois além dos efeitos benéficos na menopausa ainda ajudará no controle do peso e facilitação da digestão.

Dicas

Se você está passando pela menopausa, uma dica interessante é incluir a linhaça em sua alimentação. O cereal contém lignana, uma substância que imita a ação do estrógeno, funcionando como uma "reposição hormonal natural".

OUTRAS ERVAS
Sempre devemos ter opções para usar no sentido de descansar o organismo depois de vários dias com um mesmo chá e/ou composto, veja mais ervas que trazem benefícios durante este tempo crítico que é a menopausa: bálsamo, erva-bicha, espinheiro, lúpulo, raiz-da-vida, visco, agripalma, artemísia, alecrim, arruda, bolsa-de-pastor, valeriana, aspérula, absinto.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...