Publicado em 9 comentários

Mal de Peyronie – Tratamentos Alternativos

Nós, terapeutas da A Loja do Chá de Aracaju, tratamos o Mal Peyronie ou a DP (Doença de Peyronie) com Nosodioterapia – A medicina do terceiro milênio. Peça orientação a respeito: [email protected], mas há outras formas de tratar a DP que podem ser agregadas aos Nosódios para reforçar as armas no combate a esta doença dolorosa que afeta milhares de homens no mundo.

A doença de Peyronie é um distúrbio sexual masculino que afeta o pênis. Uma cicatriz se forma sob a pele ao longo do eixo do membro. Esse tecido cicatricial é chamado de placa e torna o movimento de dobrar o pênis algo doloroso. Isso pode causar disfunção erétil ou até a impotência. Não existem causas específicas dessa condição e nenhum tratamento específico. Tratamentos alternativos se provaram eficazes, mas ainda não são completamente comprovados e nem sempre solucionam o problema.

Nossa sugestão de tratamento:

Terapia de calor

Os pacientes com a doença de Peyronie obtiveram uma melhora ao utilizarem a terapia de calor por um período de três a seis meses. Eles experimentaram uma redução no tecido endurecido e um aumento na ereção peniana. O calor pode reduzir o tamanho da lesão e também a quantidade de curvatura do pênis que provoca a doença de Peyronie. O tratamento pode ser feito em casa, aumentando a possibilidade de maior frequências nas sessões.

Sugerimos a massagem com água quente e óleo de amêndoas, para tanto é necessário:

1 – uma bacia que se encaixe no vaso sanitário,

2 – uma colher de óleo de amêndoas doces,

3 – agua quente em temperatura suportável pelo órgão sexual.

4 – tempo disponível

Modo de Fazer:

1 – Mergulhe o pênis na bacia com a água em temperatura adequada, deixando os testículos de fora, pois calor neles não é bom para a fertilidade. Se for difícil, pode usar a toalha embebida em água suficientemente aquecida, mas dificulta para fazer a massagem e acaba aquecendo os testículos. Experimente os dois processos e escolha o que mais lhe convier.

2 – Lubrifique as mãos com óleo de amêndoas doces e vá alternando-as, segurando o penis pela base e deslizando as mãos até a ponta.

3 – Não solte o membro, e para tanto, a outra mão já deverá estar na base quando a outra já estiver próximo da ponta.

4 – Mantenha o pênis aquecido e lubrificado, a massagem precisa desses dois elementos: calor e lubrificação.

Cuidados:

1 – Mantenha o membro esticado durante a massagem.

2 – Não deixe faltar o óleo nas mãos, que é dele o poder deslizante.

3 – Mantenha água fervente em garrafa térmica para ir acrescentando e não deixar esfriar a água da bacia.

4 – Procure o “calo” ou a parte mais endurecida e massageie mais intensamente, mas sem força, para não prejudicar ainda mais a área. A intensão é fazer com que aos poucos vá de desfazendo.

Tempo de Tratamento: Até que a água fique morna e termine a água da garrafa térmica. Aproximadamente 30 minutos em cada sessão.

Quantidade: Massagens diárias e preferencialmente manhã e noite.

Duração do tratamento com calor: de 03 a 06 meses ou até que não haja mais sintomas, tais como: dor, curvatura e placa endurecida.

Argiloterapia: 02 X na semana (ou mais se tiver disponibilidade de tempo) umedeça a argila (de qualquer cor) com chá frio de centella asiática. Envolva o penis com uma camada de pouco mais de 01 centímetro. Acomode-se e fique com a argila no máximo 01h50min. Leia, assita TV, mas fique calmo e não tenha pressa. A argila precisa desse tempo para agir de forma perfeita. MAS: Nãopode exceder este tempo. Após o tratamento com argila, não aplique calor.

Duraçao do tratamento com argila: de 03 a 06 meses ou até que não haja mais sintomas, tais como: dor, curvatura e placa endurecida.

Tratamento Fitoterápico

O uso de Centella asiatica ajuda a desenvolver o tecido conjuntivo normal e ajuda os pacientes com a doença de Peyronie. O uso da centelha deve ser continuado ao menos durante seis semanas e pode ser em conjunto com outros tratamentos. Descanse uma semana após as seis semanas de tratamento e recomece por mais seis, e assim sucessivamente.

Modo de Usar:

01 colher de chá de centella asiática em 250 ml de água fervente. Abafe, desligue o fogo e deixe amornar. Beba 03 xícaras por dia, manhã tarde e noite.

TERAPÊUTICAS ORAIS

Vitamina E

A vitamina E por via oral, em doses aumentadas de 500 mg por dia, tem ajudado pacientes com a doença de Peyronie. Tem ajudado a reduzir o inchaço e tamanho das lesões de Peyronie. Lembre-se que a Vitamina E também pode ser aplicada topicamente para efeitos mais rápidos. Abra a cápsula e aplique o líquido oleoso no pênis, principalmente na parte mais afetada, logo após a terapia do calor, quando a absorção será perfeita.

Em 1948, Scardino verificou que o défice em vitamina E (α-tocoferol) se associava com uma anormal restauração do tecido conjuntivo, o que levava a uma cicatrização excessiva. Esse dado, associado ao efeito antihialuronidase que alguns autores atribuíram à vitamina E, fundamentam, desde há mais de cinquenta anos, a sua utilização na doença de La Peyronie. Hoje considera-se que a vitamina E é um antioxidante, com poucos ou nenhuns efeitos secundários, barata e comoda de administrar. Provavelmente, em todo o mundo, é a terapêutica mais utilizada na DP (Doença de Peyronie). As doses, variam de 300 a 600 mg/dia, devendo ser empregues por longos períodos, por vezes superiores a um ano.

Potaba O potaba é, quimicamente, o paraminobenzoato de potássio. É um composto com acção antiflogística e fibrinolítica, aumentando a oferta celular de oxigénio e activando a monoaminooxidase. Desta maneira, favorece a degradação das catecolaminas e diminui a fibrose por isquemia. Desde há muitos anos que é utilizado no tratamento da DP, habitualmente utilizando-se a dose de 12 gramas por dia, em três tomas. Tem frequentes efeitos secundários, nomeadamente náuseas, vómitos, anorexia e hipoglicémia. Devido aos seus efeitos secundários, muitos autores defendem o seu uso nos casos mais graves e/ou na falência da vitamina E. Contudo, muitos urologistas utilizam-no como terapêutica de primeira linha. Aguarda-se ainda um estudo validado por um grupo-controlo.

Colchicina A colchicina tem uma acção anti-inflamatória poderosa, que tem sido sugerida para tratar a DP. Alguns autores (Harris e Crane, 1971; Fell et al., 1989) demonstraram que, na dose de 2 mg diários durante três a cinco meses, provoca a diminuição da produção e da actividade do colagénio e estimula a actividade da colagenase interferindo com o movimento transcelular do colagéneo e diminuindo a actividade enzimática processadoroa do colagéneo. Os efeitos gastrointestinais do fármaco, juntamente com a diminuição da espermatogénese (Levine, 1998), são os principais obstáculos ao seu uso.

Para-aminobenzoate A substância que é uma parte da família molécular do complexo B, para-aminobenzoate, parece ajudar os pacientes com a doença de Peyronie, quando tomado por via oral. Potássio com para-aminobenzoate devem ser usados quatro vezes por dia, 3g/dia, durante 12 meses. Uma queda definitiva na placa do tecido cicatricial poderá ser vista. Consulte seu médico.

Acetil L-carnitina

Um suplemento feito a partir do aminoácido acetil L-carnitina ajuda a restaurar os órgãos sexuais masculinos e possui um efeito similar a testosterona, demonstrando melhora nos doentes com a doença de Peyronie. O suplemento acetil L-carnitina, também chamado de “pílula do cérebro”, vem em uma dose de 300 mg e está disponível online ou em lojas de suplementos naturais. Com ela é possível reduzir o tamanho de lesões de Peyronie e parte da dor causada por ereções. Você pode comprar o ALC sem prescrição médica, mas não aconselhamos que tome medicamento sem orientação de um profissional da área médica.

Enzimas As combinações de enzimas estão sendo utilizadas para o tratamento da doença de Peyronie, incluindo a papaína, a rutina e a nattokinase. No entanto, o efeito e o sucesso são limitados. Essas enzimas são engarrafadas e estão disponíveis em algumas farmácias e lojas de produtos naturais. O Neprinol está disponível em um frasco de 300 comprimidos, enquanto a Nattokinasa pode ser encontrada em frascos de 100. Consulte seu médico.

Dimetilsulfóxido [DMSO]

DMSO é um produto transdérmico que pode entrar na pele e afetar os tecidos. O DMSO é utilizado em pacientes com a doença de Peyronie, já que suas propriedades anti-inflamatórias reduzem a dor e também o tamanho do tecido cicatricial. DMSO está geralmente disponível como um spray ou creme e pode ser comprado online ou em farmácias. No entanto, o spray comprado deve conter no máximo 60% de DMSO, pois o uso constante e além dessa porcentagem pode causar irritação na pele e erupções cutâneas. Consulte seu médico.

Quando existem sinais de progressão da placa, dor ou curvatura mínima pode-se optar por drogas administradas via oral (vitamina E, potaba, colchicina) ou injetáveis na placa (esteróides, verapamil, colagenases) mas sempre com orientação e supervisão médica.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

9 comentários sobre “Mal de Peyronie – Tratamentos Alternativos

  1. A loja do cha de Aracaju tem o Neprino afd?

  2. Tenho mal de peyronie tomo neprinol e colchicina e vitamina E posso tomar junto?

    1. Dentre as informações do post qual é sua escolha?

  3. Estóu com algo bem parecido com Peyronie só no me dói tanto gostaria de saber se a ingestão de colágeno em pó pode ter algum efeito a favor ou contra obrigado

    1. Não há evidências benefícios contra o peyronie, o colágeno é um dos componentes da pele e de outras partes do nosso corpo e não há nenhum problema em ingeri-lo de acordo com a orientação de uma profissional.

  4. Muito obrigado pelas as informações.

  5. Olá bom dia! gostaria de receber mais informação sobre este Kate para mal de peyronie.
    Att: Muito obrigado.

    1. Olá Arthur, temos informações pertinentes na página do produto, peço que clique aqui para vê-las. Caso persistam dúvidas, entre em contato via WhatsApp 79 99850-4445.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *