Publicado em Deixe um comentário

Leucócitos, o que há para saber sobre eles.

Os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, são as células responsáveis por defender o organismo contra infecções, doenças, alergias e resfriados, sendo parte da imunidade de cada indivíduo.

Os leucócitos são transportados no sangue para serem utilizados sempre que um vírus, uma bactéria, ou qualquer organismo estranho entra no corpo humano, eliminando-os e impedindo que provoquem problemas de saúde.

O valor de referência de leucócitos no sangue situa-se entre 3.800 a 9.800/mm3, porém, é possível apresentar valor alterado de leucócitos no exame de sangue devido a algumas causas, como infecção recente, estresse ou aids.

Leucócitos aumentados

Os leucócitos aumentados, também conhecidos como leucocitose, são caracterizados por um valor superior a 11.000/mm3 no exame de sangue.

Algumas causas: infecção ou doença recente, excesso de estresse, efeito colateral de um remédio, alergias, artrite reumatoide, mielofibrose ou leucemia, por exemplo;

Quais os sintomas: são raros, mas podem incluir febre acima de 38ºC, tonturas, dificuldade para respirar, formigamento nos braços e pernas e perda de apetite;

O que fazer: deve-se consultar um clínico geral para diagnosticar a causa dos leucócitos aumentados, uma vez que pode não ser necessário tratamento ou ser preciso tomar remédios, como antibióticos e corticoides.

Leucócitos baixos

Os leucócitos baixos, também chamados de leucopenia, surgem quando existe menos de 4.000/mm3 leucócitos no exame de sangue.

Algumas causas: anemia, uso de antibióticos e diuréticos, má nutrição, HIV, leucemia, lúpus ou fazer quimioterapia, por exemplo;

Quais são os sintomas: cansaço excessivo, infecções e resfriados recorrentes, febre constante, dores de cabeça e dor abdominal;

O que fazer: deve-se consultar o clínico geral para diagnosticar a causa da doença. Porém, em alguns casos, é normal apresentar leucócitos baixos sem causa grave, devendo-se apenas ter cuidado para evitar gripes e resfriados, que podem acontecer mais facilmente.

Cuide-se bem para viver melhor.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *