Publicado em

Hortaliças: Acelga – Agrião e Alcachofra

Indicações terapêuticas → cálculos biliares: misturar com suco de agrião (partes iguais) – 1 copo por dia, em jejum; → prisão de ventre: ½ copo de suco de acelga + 1 colher das de sopa de azeite; → hemorróidas, feridas em geral, úlceras, contusões, furúnculos e queimaduras: fazer cataplasma com as folhas e colocar sobre o local.

ACELGA

Tipos → acelga-crespa; – acelga-de-cardo; – acelga-japonesa. Composição → em 100 gramas: – vitamina a, c, niacina (vitamina b 3) – fibras; – sais minerais (ferro, fósforo e cálcio – a presença de oxalato em sua composição, dificulta a absorção deste mineral, aconselhando-se consumir com moderação); – ácido fólico

Valor energético → 28,6 calorias, em 100 gramas.

Modo de consumo → folhas e talos, em saladas, refogados e sopas – como sempre acontece, o cozimento causa perda de alguns nutrientes.

AGRIÃO

Indicações terapêuticas → controla as taxas de açúcar do sangue; – o potássio mantém a pressão arterial sob controle; – tem ação antiinflamatória; – é diurético; – combate: – o ácido úrico, – a tuberculose; – o raquitismo; – o cálculo renal; – a cistite; – os efeitos maléficos da nicotina; -a bronquite (quando misturado com o mel); – a falta de apetite

Tipos → aquático, cultivado na água, às margens de rios, lagos, córregos, etc.; terrestre, cultivado na terra enxuta, mas o sabor de ambos é idêntico.

Composição → vitaminas a, b, b 2, e, f, pp; – sais minerais: fósforo, cálcio, ferro, cobre, iodo, magnésio, zinco, enxofre, potássio, sódio

Valor energético → 22 calorias, em cada 100 g; 1 xícara, somente 5 calorias.

Modo de consumo → pode-se comê-lo cru, em saladas, ou cozido, em sopas , suflês, – tem um forte sabor, devido à presença de iodo em sua composição, não se devendo desprezar os talos.

Atenção: pessoas com problemas renais, não devem consumir agrião.

ALCACHOFRA

Indicações terapêuticas: ajuda a diminuir os níveis do mau colesterol; – baixa a pressão arterial; – é diurética; – protege o fígado e a vesícula biliar; – é antioxidante; – reduz o nível do ácido úrico; – auxilia a digestão; – considerada de grande poder afrodisíaco (desde o império romano).

Origem → mar mediterrâneo, em clima de temperado a frio (média de 20 graus c) e áreas úmidas; em regiões mais quentes, apesar de se desenvolver bem, não chega a formar a parte comestível. Antes de desabrochar, a flor (da família do girassol e da margarida), forma uma espécie de cabeça, revestida por folhas, de base carnuda (o "coração" ou "fundo").

Tipos → há vários, de cor e de tamanho, conforme a região em que se desenvolvem.

Dica para comprar → pegue por um dos talos e movimente de maneira suave – se estiver madura, boa para o consumo, ficará flexível e não, rígida.

Composição → – rica em proteínas e em fibras; – sais minerais: manganês, potássio, enxofre, silício, magnésio, fósforo, iodo, ferro; – vitaminas: a, b 1, b 2, b 3, c; – ácido fólico

Valor energético: cada 100 gramas, cozida, fornecem 16,7 calorias

Modo de consumo : consome-se inteira, cozida em água ou no vapor, sendo que as partes inferiores podem ser gratinadas, ingeridas cruas, como aperitivo (com azeite, ou limão), ou ainda em saladas. Há inúmeras receitas à disposição dos interessados, sempre de acordo com a criatividade culinária de cada pessoa.

Modo de preparo: colocar 2 litros de água para aquecer. Quando estiver fervendo, juntar suco de um limão e as alcachofras. Deixar cozinhar de 25 a 30 minutos. Para verificar se está cozida, retirar uma das folhas da base; se ela soltar facilmente, estará cozida.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...