Publicado em

Hormônios e Emagrecimento

A descoberta do hormônio irisina foi um marco no mundo da medicina. A substância, produzida pelas células musculares, é capaz de acelerar o metabolismo de um tipo de tecido adiposo, aumentando o gasto energético do corpo, o que leva, consequentemente, à perda de peso. Mas, por enquanto, o efeito só pode ser comprovado em camundongos graças a um estudo conduzido por uma universidade americana.

A novidade é promissora, mas ainda depende de muitas pesquisas para, quem sabe, começar a ser usada em pessoas acima do peso. Enquanto o sonho não se concretiza, listamos abaixo os sete principais hormônios ligados ao ponteiro da balança. Saiba como se dá sua ação e quais condições podem inibir sua produção.

Leptina, o hormônio da fome

Produzida no tecido adiposo, a leptina é um hormônio que inibe o apetite. Ela é constantemente liberada no organismo, por isso não tem qualquer relação com a ingestão de alimentos. Em pessoas com obesidade, entretanto, o hormônio não consegue exercer seu papel. Embora pessoas com esta condição produzam mais leptina, há resistência do organismo sobre sua ação, fazendo com que o paciente esteja sempre com fome.

Basicamente, o papel da insulina é diminuir o apetite e baixar a glicemia, ou seja, retirar o açúcar do sangue. Mas a função deste hormônio produzido no pâncreas pode ser comprometida com uma dieta desregrada. O aumento da oferta de glicose no sangue estimula a produção de insulina, mas com o ganho de peso decorrente da ingestão excessiva de comida, o organismo desenvolve resistência à ação desse hormônio.

O hormônio colecistoquinina (CKK) é uma substância produzida no estômago e um dos sinalizadores que avisa o cérebro de que você está satisfeito. Ele é liberado pouco tempo depois que você começa a comer. Mas, ao mesmo tempo em que é produzido, é destruído, fazendo com que certo tempo depois você sinta fome novamente.

A grelina é um hormônio que estimula o apetite. Quanto maior o tempo de jejum, maior a produção desse hormônio. Ela começa a diminuir assim que você começa uma refeição. Em pessoas com obesidade, entretanto, há uma produção exagerada dessa substância, o que faz com que ela esteja sempre com fome. O hormônio é diretamente afetado pela realização da cirurgia bariátrica. O procedimento retira o fundo gástrico, parte do estômago responsável pela produção de grelina, o que diminui a fome.

Tiroxina, o hormônio da tireoide, atua no nosso metabolismo. É ela quem dá o ritmo para aumentar ou diminuir o gasto energético. O equilíbrio desta substância no organismo é fundamental. Isso porque a falta (hipotireoidismo) ou o excesso (hipertireoidismo) podem trazer complicações, como insuficiência cardíaca ou infarto.

O Glucagon-like peptide-1 ou GLP1 pode soar como um hormônio completamente novo, mas você provavelmente o conhece graças ao Victoza. Não é à toa que este medicamento, originalmente indicado para o tratamento do diabetes, seja receitado para pessoas que queiram emagrecer. O GLP1, produzido no final do intestino, é responsável pela sensação de saciedade. Ele é naturalmente liberado no organismo 20 minutos depois do início da refeição. Por isso, uma característica comum de quem come rápido é sempre comer mais do que o necessário.

Endorfina, mais prazer nas refeições A endorfina é responsável pela sensação de bem-estar e sua produção é estimulada principalmente pela ingestão carboidratos. Por isso muitas pessoas ficam tentadas a comer quando estão se sentindo deprimidas. O desejo de comer doces, especificamente, acontece porque esse tipo de alimento é rapidamente absorvido pelo organismo, ao contrário de uma massa, por exemplo.

Faça exames para saber a quantas andam seus hormônios se você não conseguir emagrecer apenas diminuindo o conteúdo do prato e fazendo exercícios, além é claro de tomar bastante água fora dos horários de refeições.

a Loja do Chá de Aracaju disponibiliza Floral Garcínia para ajudar a inibir o apetite e o Floral Emagrer para ajudar na queima das gorduras excessivas. Temos também o Floral Gorduloc para ajudar a acabar com as gordurinhas localizadas. E temos todos estes fitos em forma de chá.

E por falar em chá, use a Chia que é excelente nas sugestões contra a obesidade. E os chás digestivos que devem ser tomados imediatamente após a última garfada. Eles complementam a refeição, ocupam o espaço vazio no estômago e como são bebidos bem quentes, ajudam a dissolver a gordura e a providenciar que seu corpo fique mais magro. Acredite, não é balela não. Este hábito do chá quente após as refeições pode ser notado no Japão e na China, países onde as pessoas são bem magras.

Chás digestivos:

Chá branco – Chá verde – Chá amarelo – Chá vermelho – Chá de Oliveira – Banchá – Hibisco – Alecrin – Erva doce – Camomila etc.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...