09/04/2015

Segundo a tradição oriental, o aroma do gengibre aumenta a confiança e a determinação, além de ser afrodisíaco – onde seu óleo é utilizado para massagear o abdômen, provocando calor ao corpo e, consequentemente, excitação nos órgãos sexuais.

O sabor é exótico e picante. Pode ser usado tanto em pratos salgados quanto doces e, também, pode ser consumido seco, em conserva, cristalizado, em pó ou em cápsulas.

Por ser uma planta aromática, o gengibre, é muito utilizado nos quentões das festas juninas e na elaboração de licores, refrigerantes e perfumes e, como planta medicinal, é uma das mais antigas e populares do mundo, graças ao resultado da ação de várias substâncias, especialmente do óleo essencial, que contém propriedades terapêuticas como canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona.

O gengibre é originário da ilha de Java, da Índia e da China, de onde se difundiu pelas regiões tropicais do mundo. Chegou ao Brasil nos primeiros anos de colonização, Naturalistas que visitavam o país — colônia, naquela época — achavam que se tratava de uma planta nativa, pois era comum encontrá-la em estado silvestre.

Considerada como uma das plantas mais antigas e populares do mundo que desde a antiguidade é usada como um dos métodos mais populares para combater dores e, por ser um ingrediente barato e saudável, é considerado, por alguns pesquisadores, como um medicamento universal. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde — OMS, reconheceu a ação terapêutica dessa planta sobre o sistema digestivo e indica a hortaliça para evitar enjoos e náuseas e, diferentemente das drogas, não provoca efeitos laterais, nem sonolência, pois o gengibre não atua através do sistema nervoso.

Já banhos e compressas quentes de gengibre são indicados para aliviar os sintomas de gota, artrite, dores de cabeça e na coluna, além de diminuir a congestão nasal, cólicas menstruais, alguns tipos de câncer e, as massagens com óleo de gengibre, são tratamentos tradicionais e famosos para problemas de coluna e articulações.

Tratar desordens intestinais, especialmente para problemas digestivos, já que estimulando o pâncreas, aumenta a produção de enzimas que promovem a digestão e previnem o aparecimento de uma série de efeitos secundários relacionados com má absorção deles. Seu poder também é eficaz na prevenção de problemas intestinais bacterianas que são causados ​​por alterações na flora intestinal.

E ainda é antiemético, pois combate a náusea. Também excelente para controlar os vômitos causados ​​pela quimioterapia e, tomado com alimentos, ajuda a minimizar a reação do corpo aos medicamentos, como aqueles causados nos primeiros meses de gravidez e pós-operatório.

Para evitar úlceras, é capaz de remover Helicobacterpylori, uma bactéria cuja secreção de amônia ataca os sucos digestivos no duodeno e provoca úlceras e gastrite. Esta planta é capaz de neutralizar o ácido do estômago, já que o excesso é outra razão para o aparecimento das feridas.

Nas diarreias — Sua capacidade antibacteriana e tolerância para os micro-organismos necessários na flora intestinal (Lactobacillus), permite aumentar a riqueza deste, eliminando micro-organismos nocivos, tais como Escherichia coli, responsável pela diarreia, especialmente em crianças. Seu efeito minimiza o inchaço do estômago ou prisão de ventre.

Como um antinflamatória nos reumatismos, vemos que o consumo de gengibre alivia a dor associada à artrite reumatoide, osteoporose, e pacientes com doenças neuro musculares.O gingerol, um dos componentes do gengibre , é o agente ativo que se comporta quimicamente semelhante à aspirina, bloqueando a síntese de prostaglandina e levando à redução da inflamação e da dor.

Já nas doenças respiratórias e alergias, se fizer um chá de gengibre e beber três vezes ao dia pode combater alergias causadas por pólen, poeira, tintas, o cheiro de verniz, tintas, lacas, asma e alérgicas na pele, outro tipo, etc.

O óleo de gengibre é considerado um tratamentos tradicional e famoso para problemas de coluna e articulações. Na fitoterapia chinesa a raiz do gengibre é chamada de “Gan Jiang” e apresenta as propriedades acre e quente. Sua ação mais importante é a de aquecer o baço e o estômago, expelindo o frio. Os óleos encontrados no gengibre foram identificados como compostos ativos que são inibidores da biossíntese de prostaglandinas, que em uma situação de excesso poderia causar inflamação.

Nas cardiopatias, seu uso evita ataques cardíacos, angina e trombose. Pode ser uma alternativa como um complemento natural aos tratamentos convencionais.

Doenças do aparelho circulatório ou lesões causadas por congelação, aumenta e promove a circulação e a regeneração dos tecidos, combinados com comida, especialmente se combinado com a cebola e o alho.

O gengibre extrai efeitos anti-tumorais na pele, quando colocado diretamente sobre a pele. E que o óleo de gengibre inibe tumor promovido pelo vírus Epstein-Barr (EBV).

Notícia boa para os diabéticos: O Gengibre pode ser capaz de reduzir os níveis de açúcar e colesterol no sangue.

Hiperemese gravídica: o gengibre foi testado em mulheres que estavam sofrendo de hiperemese gravídica, que é uma náusea grave que pode complicar uma grande proporção de gestações. Após o teste verificou-se que o alívio era significativamente maior com o tratamento das cápsulas de gengibre em pó.

Atenção: O gengibre também é eficaz contra o crescimento de ambas coli Gram-positivos e Gram-negativas Escherichia incluindo, vulgar Protus, Salmonella typhimurium, Staphylococcus aureus e Streptococcus viridans.

Lambedores e xaropes: Ainda hoje é utilizado na produção de lambedores e xaropes para curar dores de garganta e, por sua ação antisséptica — responsável pela fama — muitos profissionais que usam a voz, falam que um dos seus segredos para cuidar da voz é mastigar lentamente um pequenino pedaço de gengibre.

Cefaléia e enxaqueca: Pacientes norte-americanos que ingeriram 500 a 600 mg (aproximadamente um terço de uma colher de chá) de gengibre em pó misturado com água pura, após 30 a 40 minutos, percebeu-se o efeito no alívio da dor de cabeça. Nos três ou quatro dias seguintes os pacientes continuaram a ingerir o preparado cinco vezes ao dia trazendo resultados no combate da enxaqueca, comprovando assim os benefícios do gengibre.

Culinária: Usado no preparo de especiarias como o curry. E no Japão é acompanhado obrigatoriamente nos pratos de sushi e frangos. Há ainda um alto consumo de gengibre em conserva e o gengibre cristalizado, que é muito usado na confeitaria no sudeste asiático. Na Europa é notável sua utilização para dar aroma diferenciado principalmente em bolos, pães e bolachas.

O gengibre seco é mais aromático e tem sabor mais suave e é amplamente utilizado na China, no Japão, na Indonésia, na Índia e na Tailândia. No Japão costuma-se usar o suco (com o gengibre espremido) para temperar frango e as conservas (beni shooga), feitas com os rizomas jovens, são consumidas puras ou com sushi. Já o gengibre cristalizado é um dos confeitos mais consumidos no Sudeste Asiático.

Para os adeptos das dietas de emagrecimento, o gengibre pode ser um grande aliado, por fazer parte do grupo de alimentos termogênicos, ou seja, aumenta a temperatura corporal e faz com que o organismo seja forçado a gastar mais energia, como consequência acelera o metabolismo e queima mais gorduras, sendo indicado por alguns médicos especialistas no combate à obesidade e, o chá do gengibre, além de estimular a digestão, provoca a sensação de saciedade.

As formas mais comuns de se consumir o gengibre são em pedaços. Farinha, chá ou em cápsulas. Veja algumas dicas abaixo:

Para consumi-lo durante as refeições ou mesmo como petisco durante o aperitivo, descasque e lave alguns rizomas frescos e depois corte-os em fatias bem finas, mas no sentido transversal das fibras.

Para obter farinha de gengibre, corte o gengibre em fatias finas e deixe-as secando na sombra por uma semana. Depois bata no liquidificador até virar pó. Consuma 1 colher — sopa — por dia, acrescentando a farinha a sucos ou alimentos. Isso pode ajudar a perder até 2 quilos por semana.

Para preparar o chá de gengibre, que exerce um papel benéfico no organismo, melhorando a circulação do sangue, evitando inflamações e combatendo os sintomas típicos da depressão e com propriedades antioxidantes, impede a ação dos radicais livres.

Chá : 4 copos de água + 01 pedaço de aproximadamente 5 cm de Gengibre descascado e cortado em fatias; limão ou laranja e mel a gosto. Ferva a água numa panela com fogo alto. Assim que começar a ferver adicione as fatias de Gengibre e desligue o fogo. Cubra a panela e deixe em repouso por 10 a 15 minutos. Coe e adicione o mel com limão ou laranja antes de tomar o chá.

Outra opção de chá de gengibre: ½ litro de água + 1 pitada de noz moscada + 4 cravos-da-índia + 1 canela em pau + Um pedaço de gengibre ( mais ou menos 5 cm) + ½ limão.

Mais uma opção de chá de gengibre: Prepare um suco de gengibre e limão e coloque em um recipiente. Aqueça ½ de água e adicione ao preparo do gengibre com todos os outros ingredientes. Deixe o chá em repouso por 10 a 15 minutos.

Importante:

O gengibre não deve ser fervido, pois perde as suas propriedades. É recomendado consumir no máximo ½ litro do chá por dia, após as refeições.

Segundo algumas nutricionistas, as cápsulas podem auxiliar na dieta, mas não com o mesmo resultado do gengibre ao natural. É recomendado tomar 3 cápsulas de 500 mg por dia, uma antes de cada refeição.

Em casos de desânimo, depressão, ou esgotamento – faça um escalda-pés ou use gotas de óleo essencial no banho.

Contra Indicações:

Como tudo na vida, tem os prós e os contra, abaixo publicamos algumas contra indicações, que devem ser levadas em conta, já que representam o resultado de pesquisas de alguns especialistas no assunto.

Eleva a temperatura corporal que pode agravar o desconforto das mulheres que sofrem de calor por causa da menopausa;

Não deve ser usado em casos de febre alta.

Durante a gravidez deve ser usado com moderação.

Mulheres grávidas com problemas de enjoo e vômitos não devem usar o gengibre.

Pessoas com hipersensibilidade ao gengibre devem evitar seu uso.

O Gengibre é contraindicado em indivíduos com cálculos na vesícula biliar.

Pode interferir com a coagulação, não é recomendado em pessoas portadoras de hemofilia ou aquelas que estejam fazendo uso de anticoagulantes, como por exemplo: AAS, warfarin, heparina, Ticlid, castanha da índia, Ginseng, Ginkgo biloba, Artemísia, borragem, camomila, filipêndula, etc.

O gengibre pode reduzir os níveis de açúcar no sangue, potencializando os efeitos de remédios utilizados no tratamento do diabetes. Por isso, diabéticos devem utilizar gengibre com cautela.

O consumo de doses acima do recomendado pode causar fraqueza, vertigens, azia, diarreia, alterações no sistema nervoso central e arritmia cardíaca.

Indivíduos hipertensos ou cardíacos devem utilizar suplementos de gengibre com cautela. O gengibre pode interferir com a digestão do ferro, de várias vitaminas, como por ex.: A, D, E e K e, em medicamentos, como tetraciclina, digoxina, sulfa e fenotiazinas.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

X