Publicado em

Envelhecimento – Dores

Dores do envelhecimento – Geriatra explica as consequências da idade e garante que sentir dor não é normal. Nas costas, na coluna, na cabeça, no estômago, quem nunca sentiu dor? O mal estar que atinge todas as faixas etárias, tende a piorar na medida em que envelhecemos. Não há como fugir delas. Certo? Não necessariamente, a velhice precisa vir acompanhada de dores. Pelo contrário, garante especialistas. O incômodo é sempre sinal de que há algo errado com o corpo. E, par quem já está habituado a alalgésicos e antiinflamatórios, outro alerta: eles podem ser dispensados.

A geriatra do Ambulatório de Doenças Osteoarticulares e Dor da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Polianna Souza, explica que as dores são mais comuns em idades avançadas devido ao aumento de chances de desenvolvimento de doenças que provocam esse mal estar, como as doenças osteoarticulares (artroses, artrites); as desordens muscuesqueléticas e da coluna; o diabetes e as doenças vasculares.

Essas doenças, geralmente, vêm acompanhadas de dores, inchaços, feridas e formigamentos. O que não significa, no entanto, uma regra. "Sentir dor nunca é normal. Daí a importância de cuidarmos da saúde sempre", pondera a especialista.

O próprio corpo dá sinais quando precisa de descanso. A prevenção ainda é a melhor maneira de garantir uma velhice livre das dores. "É importante aprender a respeitar os limites e sinais de incômodo que o nosso corpo nos dá", prega Souza. E, tão importante quan to, é entender que dor é sinal de problema. E, mesmo quando não é intensa, é necessário procurar um profissional.

A Loja do Chá de Aracaju coloca à disposiçãoseu composto floral denominado DORENVEL que trata das dores do envelhecimento. O fitoterápico está à disposição em frascos de 30 ml. A dose será de 30 gotas diluídas em água 03 vezes ao dia.

Adquira o seu, de seus pais, sogros, amigos, visinhos…

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...