Publicado em

Câncer em Cães e Gatos: Quimioterapia

Infelizmente nossos animais também sofrem de câncer. Os mesmos tipos de câncer que acometem pessoas, podem também afetar cães e gatos. O diagnóstico de câncer é sempre difícil de aceitar especialmente quando envolve tomar decisões quanto ao tratamento e ser seguido. Na maioria dos casos, o tratamento de câncer pode envolver cirurgias caras, amputações de membros e quimioterapia.

É muito comum donos de cães e gatos extrapolarem suas experiências pessoais com quimioterapia, ou de alguém na família que sofre de câncer e está sendo cuidada com quimioterapia, e pensar que seu animal irá passar pelo mesmo tipo de sofrimento. O medo de pensar que seu animal irá passar os seus últimos dias sofrendo os efeitos adversos da quimioterapia faz com que muitos donos de animais desistam de seguir em frente.

Comparado com pessoas em sugestão com quimioterápicos, cães e gatos não presenciam os mesmos efeitos adversos. O motivo é porque em animais nós usamos doses muito mais baixas e não combinamos o mesmo número de medicamentos como na medicina humana. O objetivo do tratamento do câncer em pessoas é torná-la livre de câncer enquanto que em animais nosso objetivo é fazer com que ele tenha uma boa qualidade de vida pelo tempo que ele ainda tem após feito diagnóstico.

Em muitos casos, nós não somos capazes de "curar" o câncer ou de chegar até a remissão. Nós usamos estes medicamentos para minimizar o desconforto causado por um tumor ou controlar a progressão da doença, aumentando a expectativa de vida (com qualidade). Este tipo de medicamento (quimioterápico) ataca células cancerígenas em processo de multiplicação e divisão.

Tipos de medicamentosExistem diversos tipos de medicamentos com mecanismos de ação diferentes específicos para um determinado tipo de câncer do que outro. Sempre que um animal é cuidado com um tipo de quimioterápico que é conhecido por causar efeitos adversos, nós prescrevemos medicamentos que irão ajudar a prevenir estas complicações. A maioria das complicações associadas ao uso de quimioterápicos em cães e gatos são leves como vômito, diarreia, inapetência, anorexia e letargia. É muito raro (menos de 5% dos casos) presenciar complicações severas como as que ocorrem em pessoas.

A decisão de seguir em frente com o tratamento quimioterápico é complexa e deve ser avaliada para cada caso. Infelizmente existem tipos de câncer que não respondem bem à quimioterapia e seguir em frente pode não ser a melhor opção. A decisão de cuidar ou não cuidar, geralmente envolve aspectos médicos, logística (sugestãos geralmente seguem uma agenda bem restrita) e condições financeiras, uma vez que a maioria dos medicamentos são relativamente caros.

Hoje em dia nós tratamos muito mais animais com câncer, comparando com 5 ou 10 anos atrás. Um dos grandes motivos é o avanço no diagnóstico e sugestão de doenças em medicina veterinária. Nossos animais estão vivendo cada vez mais e muitos acabam desenvolvendo câncer quando mais velhos. Mesmo velhos e com câncer, eles ainda podem ter uma boa qualidade de vida com o uso de quimioterápicos.* Este Texto faz Parte da Coletânea do Dr. Luiz Bolfer e todos os textos das páginas da PetLine foram publicados em Colunas, Saúde Animal por Dr. Luiz Bolfer.
Dr. Luiz Bolfer formou-se em Medicina Veterinária no Brasil e mudou-se para os Estados Unidos para se especializar em Cardiologia, Emergência e Cuidados Intensivos em cães e gatos. Completou 12 meses de Internato em Clínica Médica e Cirúrgica Veterinária na Universidade de Illinois. Atualmente é Residente em Emergência e Cuidados Intensivos no Centro Médico Veterinário da Universidade da Flórida em Gainesville.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *