Publicado em

Hortaliças: Bardana

Indicações terapêuticas → a bardana tem espantosa atividade terapêutica, sendo indicada como: – fortificante; – estimulante do sistema nervoso; – antiinflamatória; – analgésica; – estimulante do couro cabeludo; – útil no combate à bronquite; – calmante; – diurética; – antianêmica; – auxiliar no tratamento de cálculos renais e biliares; – normalizadora da glicemia em diabéticos, devido ao princípio ativo contido nas raízes (inulina) que estimula o pâncreas na produção de glicose. Partes da planta que podem ser utilizadas: folhas: são esmagadas e aplicadas em forma de cataplasma (para doenças da pele, devido à sua ação bactericida).

Origem os gregos utilizavam essa planta como medicamento e, na idade média, foi muito usada no preparo de poções para várias enfermidades, como veremos em seguida. A europa difundiu o seu uso, mas o japão, com certeza, foi e é o seu maior consumidor, utilizando-a bastante na sua culinária típica. Aqui no brasil, a bardana é cultivada com finalidade comercial, usada na alimentação, comercializada em feiras-livres e até em supermercados, geralmente anunciada como "gobô".

Outros nomes também é conhecida como: – erva-dos-tinhosos; – pegamassa; – carrapicho-de-carneiro e carrapicho-grande; – baldrana; – bardana-maior; – erva-dos-pega-massos; – gobô; – labaca; – lapa; – orelha-de-gigante; – pegamasso; – pegamoço.

Em outras línguas: latim: arctii lappae; – inglês: burdock; – espanhol: bardana; – francês: bardane; italiano: bardana maggiore ou lapp bardana ou lappola.

Composição → vitamina b1; – cálcio; – ferro; – fósforo.

Na raiz → – proteínas; – glicídios; – fibras; – cálcio; – fósforo; – ferro; – vitamina a, b1 e vitamina c.

Partes utilizadas → raiz de 1 ano (com a casca) – na culinária; folhas frescas, sementes, flores secas – nas indicações terapêuticas.

Valor energético → 100 gramas de bardana, fornecem 82,4 calorias.

Modo de preparar as raízes podem ser cozidas e usadas em ensopados e feijões, por exemplo; – as folhas também podem ser cozidas e usadas como verdura.. Na raiz da bardana, o maior potencial energético está na casca, portanto ela não deve ser retirada, para que não se percam as suas potencialidades. Remova bem a terra, escovando, mas não descascando. Durante o cozimento, a coloração escurece, o que é normal, devido ao ácido tânico, uma substância sem sabor e inofensiva ao organismo. Para evitar isso, basta deixar a raiz de molho em água com algumas gotas de limão.

Indicações terapêuticas a bardana tem espantosa atividade terapêutica, sendo indicada como: – fortificante; – estimulante do sistema nervoso; – antiinflamatória; – analgésica; – estimulante do couro cabeludo; – útil no combate à bronquite; – calmante; – diurética; – antianêmica; – auxiliar no tratamento de cálculos renais e biliares; – normalizadora da glicemia em diabéticos, devido ao princípio ativo contido nas raízes (inulina) que estimula o pâncreas na produção de glicose. Partes da planta que podem ser utilizadas: folhas: são esmagadas e aplicadas em forma de cataplasma (para doenças da pele, devido à sua ação bactericida).

Homeopatia a tintura da raiz, dinamizada homeopaticamente, é empregada contra acne, furúnculo, eczema do couro cabeludo) e nos bloqueios do metabolismo.

Contra-indicações e cuidados especiais não se recomenda sua aplicação terapêutica em crianças e pessoas com diarréia ou feridas abertas. Em pessoas sensíveis, pode haver irritação dérmica e/ou ocular. Eis mais um motivo para que não se faça auto-medicação, em hipótese alguma – a consulta ao médico ou a um naturopata devidamente qualificado é altamente recomendável.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *