Publicado em

Energia para Viver mais: Dr. Augusto Vinholis

Técnica de desintoxicação do organismo garante longevidade. Médico, cientista e pesquisador da alimentação, Dr. Augusto Vinholis, prega alimentação 80% vegetariana e dieta personalizada. Método propõe eliminação de doenças como Parkinson e câncer.
A expectativa de vida da humanidade está em alta. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil está entre os dez países com maior índice de população acima dos 60 anos de idade. Dentro desta perspectiva, conquistar a longevidade com saúde deixa de ser privilégio para se tornar necessidade. Para o médico cientista Augusto Vinholis, alcançar este objetivo é mais fácil do que se imagina.
O segredo, segundo ele, é fazer uma desintoxicação do organismo, para reduzir o número de radicais livres que adoecem o corpo, e iniciar reeducação alimentar com dieta personalizada capaz de garantir a continuidade do estado saudável. A alimentação ideal, defende Vinholis, deve ser 80% vegetariana, de preferência, com alimentos recém-colhidos e crus, ou seja, com energia vital.
Quem se dispuser a seguir esta regra básica conseguirá eliminar uma série de doenças do organismo. Isto inclui algumas degenerativas e consideradas incuráveis, como:
1 – Alzheimer,
2 – Parkinson,
3 – Lúpus,
4 – Artrites,
5 – Artroses,
6 – Câncer,
7 – Fibromialgia,
8 – Enxaqueca,
9 – Obesidade,
10- Constipação intestinal,
11- Diabetes.
“O que prejudica é o errado todos os dias, e não o eventual.” É uma das frases mais importantes que já ouvi em se tratando de dietas e/ou mudança de hábitos alimentares.
Após décadas de pesquisa, o médico passou a viajar todo o Brasil, Estados Unidos e Europa para ministrar cursos e palestras sobre sua proposta de como envelhecer com saúde. Estudioso da Medicina Integrativa e das Terapias Complementares, Augusto Vinholis, formado pela Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, e pós-graduado em Pediatria, informa que sua técnica de sugestão é resultado de pesquisa em mais de 36 países, com destaque para a Índia, Japão, Suíça e Estados Unidos.
Com 35 anos de atuação, explica que, de cada lugar visitado, retirou conhecimentos e aperfeiçoou técnicas tradicionais de sugestão com resultados positivos no seu local de origem que poderiam ser aplicadas com sucesso no Brasil.
DIAGNÓSTICO
O processo de cura começa com mapeamento da íris (estrutura ocular) ou diagóstico visual que permite ver o estado geral de saúde do paciente e as áreas mais intoxicadas. Nesta fase inicial, do tratamento, também são analisadas língua e unhas. A técnica facilita a prevenção de possíveis males não detectados em exames tradicionais.
O diagnóstico visual tem até 80% de acerto. Após a segunda fase do tratamento – que inclui exames tradicionais, como de sangue –, o índice de acerto sobe para 95%, destaca Vinholis. Segundo ele, a eficácia da técnica, pioneira no País, foi certificada após 19 anos de estudos.
O sugestão de desintoxicação e dieta alimentar foi aplicado em 3.800 pessoas em Alto Paraíso, a 421 km de Goiânia. Elas ficaram isoladas em spa clínico por seis meses. Após a fase de avaliação, outras 3.200 pessoas experimentaram a técnica no Brasil, incluindo Goiás.
MINERAIS
Vinholis explica que a deficiência de minerais – elementos antioxidantes importantes ao corpo – e de vitaminas responsáveis por bloquear as lesões degenerativas faz o corpo adoecer e desenvolver osteoporose e tumores.
Ele informa que pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP) mostra que 95% das vitaminas ingeridas são eliminadas pela urina e apenas 5% são aproveitadas pelo corpo. Para que o nutriente seja absorvido, deve estar agregado ao carboidrato de origem – nas frutas, verduras e cereais crus. A temperatura para conservar as vitaminas é entre 4° C e 60° C.
O ADEUS AO LÚPUS
Dois meses depois de iniciar em Goiânia, pela primeira vez, o tratamento de desintoxicação proposto pelo médico Augusto Vinholis em 2003, os exames da programadora visual Vera Regina Alcântara, 53, deixaram de acusar uma doença grave da qual era portadora: o lúpus. A enfermidade é auto-imune, de caráter sistêmico e inflamatório, e produz anticorpos contra o próprio organismo.
Ao se descuidar da alimentação, Vera Regina voltou a apresentar os sintomas dois anos após o primeiro tratamento. Uma nova desintoxicação, e, desta vez, com maior rigor na dieta, está lhe garantido dias de saúde e vitalidade, garante a redatora. Ela relata que, desde que conheceu o médico, procura manter contato com ele e sua equipe pela internet. Dessa maneira, se informa sobre as novidades no tratamento e tira dúvidas sobre a maneira correta de se alimentar. Também se tornou hábito assistir a todas as palestras que Augusto Vinholis ministra em Goiânia. “Tenho um exemplar do livro que ele escreveu. E nele busco orientações para não cometer o erro anterior e adoecer novamente”, relata.
PROJETO
Chegar à velhice em forma e com saúde é uma das metas da promotora de vendas Rogéria P. Satto, 22. Não é à toa que, desde a infância, adotou uma dieta personalizada a fim de evitar doenças, principalmente as degenerativas. Aprendeu, quando criança, a importância de comer legumes, frutas e verduras cruas e frescas pelo menos uma vez ao dia.
Segundo ela, este tipo de reeducação alimentar lhe permitiu gostar de alimentos que não imaginava comer na fase adulta. “Hoje, a salada crua é obrigatória no cardápio de casa.” Segundo Rogéria, a longevidade com saúde depende da alimentação feita de maneira correta desde bebê. “Minha mãe tem osteoporose e acredito que, se eu mantiver uma boa alimentação, poderei chegar à terceira idade mais disposta, saudável e feliz”, afirma.
PREFERÊNCIA POR ALIMENTOS FRESCOS
Médico e pesquisador, Augusto Vinholis afirma que a vida do ser humano é composta por três ciclos de 42 anos cada, totalizando 126 anos. Segundo ele, as pessoas só não chegam a esta idade porque se alimentam mal, adoecem e morrem antes. Para orientar sobre como viver mais e com saúde, o médico escreveu o livro A Dieta Ideal – Longevidade com Qualidade de Vida, que está na 4ª edição e foi traduzido para espanhol, inglês e alemão.
Na obra, o médico também expõe suas pesquisas sobre vários alimentos e da ação de agrotóxicos e conservantes químicos que interferem na saúde. A publicação explica que os alimentos contêm “energia vital”. Vinholis diz que pesquisa feita no Japão pelo doutor Shichima comprova que os vegetais ingeridos com energia vital – até 24 horas após serem colhidos – sofrem transmutação dentro do corpo, ou seja, os elementos químicos se transformam em outros dentro do organismo se ingeridos com energia vital.
“Essa transmutação ocorre em nível atômico e faz com que o organismo seja suprido de elementos que ele próprio não comeu, mas que necessita no metabolismo”, afirma. Segundo ele, a natureza tem recursos para garantir a manutenção da espécie e proporcionar longevidade com qualidade. O problema, alerta, é que as pessoas não comem alimentos com energia vital, pois raramente cultivam hortaliças ou compram frutas e verduras na feira, mais frescas.
O costume geral é ir ao supermercado, onde se encontra tudo no mesmo lugar. A diferença é que lá, os alimentos ficam armazenados por dias e alguns são refrigerados. “O alimento sem energia vital perde a capacidade de transmutar naquilo que o organismo necessita”.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *