Publicado em

Aura – É realmente possível ver aura das pessoas?

Cientistas da Universidade de Granada, na Espanha, afirmam ter comprovado cientificamente que é possível enxergar a aura das pessoas. A aura seria um campo de radiação luminosa que circunda uma pessoa como se fosse um halo.

Embora a aura seja usada em processos de cura por místicos desde a Antiguidade, poucos cientistas se aventuraram na área justamente pelo temor de serem associados ao misticismo, por definição algo diametralmente oposto à ciência.

Contudo, à medida que os sensores e a capacidade de medir campos de energia mais tênues vão se aprimorando, as pesquisas realmente científicas na área têm avançado, sobretudo no campo do magnetismo, embora ainda não devidamente enquadrada no padrão oficial da ciência acadêmica.

Aura e efeito placebo segundo Emilio Gómez Milán e seus colegas e algumas pessoas, geralmente conhecidos como "curandeiros", conseguem de fato perceber um campo de energia ao redor das pessoas. E, segundo a pesquisa, se deve a um fenômeno já bem conhecido dos cientistas, chamado sinestesia, um fenômeno neuropsicológico que parece mesclar os sentidos.

Segundo o grupo, isto pode explicar cientificamente a alegada prática virtuosa dos curandeiros: sua visualização geraria um "significativo efeito placebo" nas pessoas doentes, o que, no dizer dos cientistas pode de fato levar à cura.

Sinestesia: Nas pessoas sinestetas (que apresentam a sinestesia) as regiões do cérebro responsáveis pelo processamento de cada estímulo sensorial são fortemente interconectadas. Ou seja, os sinestetas têm mais conexões sinápticas do que as pessoas "normais". "Essas conexões extras fazem com que elas automaticamente estabeleçam associações entre áreas do cérebro que normalmente não são conectadas," explica o professor Gómez Milán. Desta forma, os sinestetas podem ver ou tatear um som, sentir sabor das cores, ou formatos das palavras, entre outras inúmeras possibilidades.

O que as pessoas que conseguem visualizar auras possuem é o que os cientistas chamam de sinestesia emocional.

Qualidades de um místico curador: Os cientistas espanhóis afirmam que "nem todos os curandeiros são sinestetas, mas há uma elevada prevalência desse fenômeno entre eles. O mesmo ocorre entre pintores e artistas, por exemplo". Eles estudaram um médium espanhol chamado Esteban Sánchez Casas, mais conhecido como "O homem santo de Baza". Segundo a análise dos cientistas, a capacidade de Esteban Casas ver a aura das pessoas "é, de fato, um caso claro de sinestesia". Ainda segundo o artigo, o místico apresentaria quatro elementos básicos que explicariam seu "poder de cura":

– O primeiro é a sinestesia face-cor, na qual a região do cérebro responsável pelo reconhecimento facial é associada com a região de processamento de cores.

– O segundo é a sinestesia toque-espelho, quando o sinesteta, ao observar uma pessoa que está sendo tocada ou que está sentido dor, consegue sentir a mesma coisa.

– O terceiro é uma elevada empatia, a capacidade de sentir o que as outras pessoas estão sentindo.

Finalmente, o místico teria esquizotipia, um conceito psicológico amplo, que descreve um contínuo de características de personalidade que vão desde estados dissociativos normais e estados imaginativos, até extremos como a psicose e a esquizofrenia.

E há também as explicações fisiológicas: "Estas habilidades fazem com que os sinestetas tenham a capacidade de fazer com que as pessoas se sintam compreendidas, o que lhes proporciona uma emotividade especial e uma capacidade de perceber a dor [dos outros]," escrevem os cientistas em seu artigo, publicado na revista Consciousness and Cognition.

À luz de suas explicações, os cientistas concluem que, "embora alguns curadores realmente tenham a capacidade para ver a aura das pessoas e sentir a dor dos outros devido à sinestesia", seus efeitos curadores devem-se unicamente a um "significativo efeito placebo".

Nota: Efeito placebo… Tudo que a ciência não consegue explicar, é relegado às coisas de menores importancias. Já estamos acostumados a isso. Depois de algum tempo (às vezes até longo), a ciência repentinamente "descobre" o que havia sido descoberto por terapeutas, homeopatas e que ela, por não conseguir explicar havia relegado às coisas sem importância. Neste caso enquadra-se a Nosodioterapia que vem sendo utilizada desde Edward Bach, Hanneman e o Dr. Roberto Costa, e agora está sendo aclamada no meio científico como a descoberta de uma vacina pela que utiliza órgãos, sangue, líquidos de feridas para curar o ser humano. Vão "pesquisar" o que já foi pesquisado, "descobrir" o que já foi descoberto e ficam com a glória sem dar crédito a quem realmente os merece ter.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *