Publicado em

Alimentos para a memória

O cérebro funciona a todo vapor quando se capricha na escolha do cardápio. Saiba o que colocar na mesa para deixar sua memória mais afiada. Sabe aquele desespero de não se saber onde deixou um objeto e precisa dele com urgência? Estes esquecimentos levam qualquer pessoa a um estado de nervos desesperador. E quando não se consegue lembrar do nome de uma pessoa que sorri bem à nossa frente nos perguntando se lembramos dela? E o branco permanece toldando nossa memória. Quantas vezes você já ligou para alguém e esqueceu o que queria dizer? Quantas vezes já esqueceu de compromisso assumido e agendado?
Se você já passou por essas e outras situações e concluiu que sua memória não está na melhor forma, antes de atribuir o fato à passagem do tempo ou à correria diária, reflita sobre suas escolhas à mesa.
Estudos têm mostrado que a dieta equilibrada é fundamental para o bom funcionamento do cérebro. Cientistas do Human Nutrition Research Center on Aging (HNRCA), da Universidade Tufts, uma das mais renomadas instituições de pesquisa dos EUA, estão empenhados em mostrar que a alimentação adequada contribui para evitar o declínio das funções cognitivas e prevenir doenças degenerativas progressivas como Alzheimer, que ocasiona esquecimentos, dificuldade de raciocínio e alterações de comportamento. Frutas, vegetais, sementes, nozes e grãos contêm diversos compostos que melhoram as conexões entre as células nervosas é o que vários pesquisadores da memória dizem e repetem.
Trabalhos realizados no Brasil não só confirmam a tese defendida cientistas de outras terras, como já apontam inimigos e aliados do cérebro. Uma de suas pesquisas mostrou que a exclusão de carne da mesa e o acréscimo na ingestão de vitamina B2 favorecem a recuperação das funções motoras em portadores da doença de Parkinson, que afeta o sistema nervoso central e é caracterizada por tremores e rigidez muscular.
Há dezenas de casos com 90% de melhora. Segundo o neurologista, carnes em geral produzem toxinas lesivas aos neurônios e nós aqui, comendo bifes e churrascos e achando a vida boa.
Mas há uma notícia boa, uma dieta rica em colina, micronutriente derivado de um aminoácido encontrado fartamente na gema do ovo, não só estimula a atividade cerebral, como pode ser particularmente benéfico para a memória. Conheça melhor esse e outros alimentos que devem ter lugar garantido em suas refeições.
OVO
É a principal fonte de colina, que não só participa da formação de novos neurônios, como ajuda a reparar as células cerebrais avariadas. Fora isso, constitui a matéria-prima da acetilcolina, neurotransmissor fundamental para a memória e o aprendizado. A colina favorece a função cognitiva e a melhora da depressão. Comprovou-se, ainda, que esse micronutriente é tão importante quanto o ácido fólico para o desenvolvimento do sistema nervoso do feto. Uma gema tem cerca de 130 mg de colina.
Salmão, soja, fígado, germe de trigo e feijão trazem concentrações menores. Como se não bastasse, o ovo é fonte de proteína de alto valor biológico e ainda fornece diversas vitaminas do Complexo B, que facilitam a comunicação entre os neurônios.
PEIXE
Alimento famoso e é verdade o que se ouve dizer: O peixe alimenta o cérebro e a memória em particular. Ainda mais se for de águas frias, como salmão, sardinha, anchova, atum, arenque e cavala, por fornecerem ácidos graxos altamente benéficos, do tipo ômega 3, que tem reconhecida ação antiinflamatória. E eles protegem os neurônios contra os radicais livres, notórios destruidores de células. Estudos populacionais identificaram um risco 47% menor de desenvolver Alzheimer em indivíduos com taxas significativas de DHA por consumirem pelo menos uma porção de peixe por semana. Segundo o pesquisador, esse ácido graxo preserva as membranas dos neurônios, colaborando para a troca de informações entre eles. Por fim, os peixes ainda fornecem a vitamina D, que contribui para a renovação dos neurônios. Se quiser beneficiar sua atividade cerebral coma peixe pelo menos uma vez por semana.
ALIMENTOS PREJUDICIAIS À MEMÓRIA
Aumentam as possibilidades de pequenos e grandes esquecimentos, os "brancos" vão se acumulando de forma rápida e a pessoa passa a ter apenas uma vaga memória em que não pode confiar. É fogo que fica aceso desnecessáriamente, é panela que queima e requeima, é panos de prato que pega fogo, panela de pressão que explode… Aniversários de toda espécie são esquecidos, além de consultas, exames…Até chegar aos nomes dos filhos, fisionomia e até mesmo de seu rosto a quem se esquece.
Veja quais são os alimentos perigosos para a memória que longo prazo, podem aumentar o risco de doenças neurológicas como Alzheimer.
AÇÚCAR: embora forneça energia rapidamente, esse efeito estimulante tem curta duração e assim como outros alimentos com alto índice glicêmico (batata, massas e cereais refinados), os doces elevam a produção de insulina e desencadeiam outras reações químicas que agridem as células cerebrais.
CARNES: estimulam a produção de substâncias tóxicas para os neurônios. As formas mais críticas de preparo são o churrasco e a fritura. Mas nem o peito de frango grelhado escapa. O perigo aumenta se a dieta for pobre em vitaminas do complexo B. Daí crescem os níveis de homocisteína, um composto nocivo para o coração e também para o cérebro. Altas taxas constituem fator de risco para Alzheimer e Parkinson.
ÁLCOOL: além de causarem déficits temporários de memória, atenção e aprendizado, o álcool e outras drogas podem levar à morte de neurônios e prejudicar a formação de novas células cerebrais. Quanto maior o consumo, maior o perigo.
GORDURAS: as saturadas (provenientes de fontes animais) e, sobretudo, as do tipo trans, comprovadamente maléficas para o coração, podem ameaçar o cérebro. Há evidências de que tudo que faz bem para o coração faz bem para o cérebro e os demais órgãos e note bem: inverso também é verdadeiro.
MAÇÃ
Dizem acertadamente que a maçã reforça a memória e que uma maçã por dia mantém o médico longe – se aplica também ao cérebro. Ela é uma das principais fontes de fisetina, composto que favorece o amadurecimento das células nervosas e estimula os mecanismos cerebrais associados à memória. Experiências com o suco de maçã foram feitas com cobaias que ingeriram o equivalente a três copos diários se saíram melhor em testes de memória. Outras frutas ricas do fitoquímico são morango, pêssego, kiwi e uva. Ele também é achado na cebola e no espinafre.
FRUTAS VERMELHAS
Há muito se sabe que as frutas vermelhas são antioxidantes, a amora mostrou-se capaz de reverter déficits de memória associados à idade, segundo pesquisadores. Resultado semelhante foi alcançado fornecendo extratos de blueberry (mirtilo) a animais de laboratório. A reversão dos danos cognitivos é atribuída à presença de flavonóides, que exercem efeitos benéficos na aprendizagem e na memória porque protegem os neurônios. As frutas mais pródigas nesses antioxidantes são: mirtilo, ameixa preta, amora, framboesa, morango, cereja, abacate e uvas vermelhas. No caso, o morango também contém outro antioxidante de ponta, a vitamina C, encontrada ainda nas frutas cítricas, como laranja, limão, acerola e kiwi.
ATITUDES QUE FAZEM DIFERENÇA
Não é só o comer que faz de uma memória ruim uma memória boa, além da nutrição, o estilo de vida ajuda e muito nosso cérebro a não se desgastar tanto e a se preservar, que é o importante.
:
1. Verifique constantemente seus níveis. Meça a pressão arterial, dose o colesterol e o açúcar no sangue. Os mesmos cuidados que você toma para defender seu coração ajudam a preservar a memória e a acuidade mental.
2. Cui
dado onde coloca o seu pé. Evite circular por locais poluídos em horário de rush ou consumir alimentos de origem duvidosa.
3. Não seja sedentário, isso é um perigo. Os exercícios aumentam o fluxo sanguíneo para o cérebro, transportando oxigênio e nutrientes essenciais à sua atividade. Exercícios aumentam as conexões entre os neurônios.
4. Procure viver sem estresse. A exposição prolongada ao cortisol, hormônio liberado nas situações de tensão, prejudica as áreas cerebrais relacionadas à memória e ao aprendizado. Passei, divirta-se, jogue conversa fora, procure rir muito, faça cami hadas e também atividades relaxantes, como boiar sossegadamente numa piscina ou deixar-se ficar na beirada do mar.
5. Não se entregue. Faça planos. Execute-os. Sonhe com algma realização e parta para a conquista. Aquele que deixa de sonhar está a um passo de fazer uma viagem sem volta.Tenha um objetivo na vida. Quem desenvolve projetos pessoais, sentindo-se produtivo e necessário, demonstra maior capacidade de preservar o vigor mental.
6. Viva com paixão. Nunca é tarde para apaixonar-se por algo ou por alguém. Muitas pessoas realizaram seus sonhos na segunda metade da vida. Pesquise e verá quanta gente boa deixou para mais tarde o que era mais importante e deu-se muito bem.
7. Não se isole. O isolamento leva à preguiça física e mental, aumenta o risco de doenças e depressão. . Mantenha as amizades em dia, mande cartão, e-mail, telefone, apareça ou convide para um lanche, cinema ou simplesmente ver o pôr do sol. Cultive relacionamentos sociais. Conversar com outras pessoas é uma troca e é essencial ao nosso bem-estar.
8. Aprenda coisas novas, crochê, internet, biriba, dança de salão, culinária, pintura, palavras cruzadas… Tem um mundo de coisas que você não expewrimentou. Tente habilidades novas. Nunca é tarde para quebrar a rotina e criar oportunidades de aprendizado. Leia, escreva, namore. Exercite seu cérebro.
ALIMENTOS PARA A MEMÓRIA
BRÓCOLIS
Vegetais de folhas verde-escuras , como brócolis e espinafre, são as principais fontes de ácido fólico, vitamina do complexo B necessária à formação do sistema nervoso do feto. Depois, participa de reações químicas que regulam a conexão entre as células nervosas e influenciam o desempenho cognitivo. E de quebra, ainda nos dá porções generosas de antioxidantes. Nesses compostos benéficos ainda se inclui alcachofra, nozes, aspargos, beterraba e espinafre, a cenoura e as demais hortaliças alaranjadas, fontes de outro antioxidante, o betacaroteno. Já o tomate colabora com o licopeno, mais um composto químico capaz de deter os radicais livres.
CEREAIS INTEGRAIS
São verdadeiros silos de armazenagem de vitaminas. O principal valor desses grãos (aveia, arroz integral, cevada) e massas à base de trigo integral é colaborar para que a troca de informações entre os neurônios ocorra sem sobressaltos, o que auxilia muito a memória. Isso se dá por serem ricos em vitaminas do complexo B, notadamente ácido fólico e vitamina B6. Outras fontes importantes de vitaminas desse grupo são carnes, peixes, leite e derivados, soja, feijão, nozes e sementes.
AZEITE DE OLIVA
Este é um óleo que só faz bem. Fortalecer a memória é com ele mesmo. Ele é rico em ácidos graxos monoinsaturados, que integram a membrana das células nervosas e aceleram a transmissão de informação entre elas. Outras fontes são o óleo de canola e a linhaça. Para completar, o azeite extravirgem ainda fornece dois antioxidantes, que exercem efeito neuroprotetor: os polifenóis e a vitamina E (disponível também em outros óleos vegetais, como o de girassol, amendoim e milho, além do abacate e das nozes).
E agora? Você não vai esvaziar sua geladeira e armários e consumir apenas os alimentos que apresentamos aqui… Não é bem assim. Há hora para tudo. Planeje suas refeições de olho naquilo que seu organismo está precisando no dia a dia. Vá testando novos alimentos, novas receitas, diversificando a alimentação, tornando-a eficiente e convidativa. Chega de mesmice, invente, se oriente, e fique de bem com a vida.
Todos os nutrientes têm papel importante em nossa vida, o Senhor não é Deus de fazer tolices. Tudo que fez foi feito bem feito e é necessário. Veja que os carboidratos trazem a glicose, principal combustível para a atividade cerebral. As proteínas fornecem a matéria-prima para a produção de neurotransmissores, mensageiros químicos que transmitem informações entre os neurônios. E as gorduras entram na composição das membranas celulares, o que diz respeito também aos neurônios. E, além dos antioxidantes e vitaminas , uma boa alimentação fornece minerais úteis ao sistema nervoso, como o ferro (encontrado nas carnes e leguminosas), que leva oxigênio à massa cinzenta, e o zinco, que evita a degradação e o envelhecimento dos neurônios (as fontes são carne, frango, peixe, cereais integrais, feijão, soja e lentilha).
O ideal em tudo é o equilíbrio, a sensatez, o amor por si mesmo, o respeito pelo dom da vida que Deus te deu.
Este corpo que você ganhou, precisa de cuidados. Mostre amor por ele, seja grato e cuide-se bem.

Atenção: Qualquer produto citado neste post não é um medicamento e não substitui o tratamento médico. Terapias citadas neste post não substituem a visita ao seu médico regularmente.

Deixe um comentário ou resposta...